Etiquetas

, , ,

AVEIRO | ARRUADA COM JERÓNIMO DE SOUSA 

Este slideshow necessita de JavaScript.

É preciso concretizar em votos o bom ambiente que se sente em torno da CDU, apelou o Secretário-Geral do PCP, que hoje, 18, percorreu o centro de Aveiro acompanhado pelo primeiro candidato pelo círculo eleitoral do distrito, Miguel Viegas.

Na arruada realizada ao final da tarde por uma das principais artérias aveirenses, constatou-se o reconhecimento popular pela coerência e intervenção permanente dos comunistas e ecologistas. Palavras de incentivo não faltaram à passagem de Jerónimo de Sousa, Miguel Viegas e outros candidatos pelo círculo eleitoral de Aveiro. «Força», «continuem» ou «estou convosco», foram algumas das mais ouvidas aos transeuntes que se deparavam com uma comitiva de dezenas de activistas, os quais, ao longo de todo o percurso, não se cansaram de gritar «avançar, avançar, para a CDU ganhar».Um homem com «43 anos de descontos» mas a quem «eles não deixam reformar», garantiu mesmo que «[a CDU] pode contar com o meu voto». E «lá em casa são mais dois», assegurou.

Conquistar voto a voto, nas próximas duas semanas, para «consolidar a possibilidade de crescimento» eleitoral do PCP-PEV. Este foi um dos reptos lançados pelo Secretário-Geral do Partido, intervindo no final da iniciativa.

Antes, da tribuna, Miguel Viegas já havia insistido na necessidade de dar continuidade à campanha que vem sendo desenvolvida, com os activistas e apoiantes da CDU a desdobrarem-se pelos lugares e aldeias e a multiplicarem o esclarecimento e o convencimento para o voto no PCP-PEV.

Acções de campanha nas quais, lembrou Miguel Viegas, «nos cruzamos com caras conhecidas» porque com elas estamos na luta «em defesa dos serviços públicos, pelos seus direitos».

A CDU tem, por isso, a «legitimidade para apelar a que levem a luta até ao voto», concluiu o cabeça-de lista por Aveiro.

Jerónimo de Sousa, por seu lado, valorizou o «alargamento do apoio à CDU» que se constata «nos cumprimentos, apelos e saudações». Reforço eleitoral «tanto mais importante quanto se sabe que a 4 de Outubro, o povo português tem dois caminhos a escolher: ou a continuação da mesma política desgraçada pela mão da «mesma alternância esgotada», ou abrir um caminho novo.

Alertando para o «acentuar da bipolarização» nos próximos 15 dias, o Secretário-geral do PCP lembrou ainda que «as sondagens, mesmos as deles, dão-nos bons resultados». É preciso, no entanto, insistir, fazer mais um esforço, que «cada um de vós dê mais um passo» para ganhar consciências para a política alternativa, patriótica e de esquerda.

Consciências que se expressem, primeiro, pelo voto na CDU, apelou, uma vez que quanto mais reforçada em número de votos e mandatos sair das urnas o PCP-PEV, mais possibilidade terá de dar corpo à alternativa política, mas também à «esperança no futuro de Portugal» e à luta que prossegue.

As sondagens que dão à CDU um crescimento significativo em número de mandatos na Assembleia da República, incluindo a perspectiva de eleger novamente um deputado pelo distrito de Aveiro, bem como o papel que os deputados comunistas e ecologistas podem vir a ter na formação/viabilização de um governo, foram, aliás, os temas sobre os quais a comunicação social que acompanha a caravana da CDU procurou reacções do Secretário-Geral.

Jerónimo de Sousa considerou, porém, que ainda falta pronunciar-se o grande soberano, o povo, ao mesmo tempo que salientou que ninguém contará com o PCP, com a CDU, para «o lodaçal da política de direita».