Por estes dias os defensores da direita dos interesses e dos interesses da direita querem-nos fazer crer que está tudo decidido e que não há alternativas. Querem-nos impor o pacto de submissão e agressão assinado entre a troika dos partidos – PS/PSD/CDS – e a troika FMI/BCE/União Europeia.

Mas a verdade é outra. Há outro caminho. O caminho da aposta na produção nacional, da valorização dos salários e das pensões, da promoção do emprego com direitos e do combate à precariedade. O caminho da tributação da banca, dos grupos económicos e das grandes fortunas. O caminho do combate às privatizações e da recuperação para o Estado de empresas estratégicas, da valorização dos serviços públicos. O caminho da renegociação da dívida pública (prazos, juros, montantes) e da defesa da independência e soberania nacional.

Em 5 de Junho os eleitores não vão ser chamados a eleger um primeiro-ministro. Elegem sim, em cada distrito, os deputados que os irão representar na Assembleia da República, local de excelência para a aprovação das leis que nos regem.

A lista da CDU no distrito de Viseu integra mulheres e homens com provas dadas na defesa dos interesses dos trabalhadores e das populações.

Homens e mulheres que estiveram com os trabalhadores e as populações contra as alterações ao Código do Trabalho, por melhores salários e pensões, contra os ataques aos trabalhadores da Administração Pública. Que estiveram contra os PEC e as portagens. Que estiveram com os professores, pais e estudantes contra o encerramento de escolas. Que estiveram contra o encerramento de serviços de saúde, contra a privatização da água. Que pugnaram por mais e melhores transportes públicos, pela criação da Universidade Pública de Viseu. Que se bateram em defesa da agricultura, do ambiente e do comércio tradicional.

Nesta legislatura, tal como em legislaturas anteriores, os deputados do PCP e do PEV foram os que mais propostas e requerimentos apresentaram sobre problemas do distrito. Dando continuidade a este trabalho, os candidatos da CDU apresentam-se aos eleitores assumindo desde já um conjunto de 16 compromissos que, como sempre, são para cumprir.

Que outra força política do nosso distrito apresenta um tal património de pensamento e de acção? Sejamos claros: nenhuma!

É tempo de confiar na CDU. Agora, a 5 de Junho, é tempo de votar CDU.

Especialista em Sistemas de Comunicação e Informação

In Jornal do Centro – Edição de 27 de Maio de 2011