Etiquetas

, , , , , ,

Sem pretender ser cruel para com ninguém… mesmo assim, gostaria agora de ver a cara das pessoas que por pouco não me insultaram, quando disse sobre o candidato presidencial Fernando Nobre aquilo que era o mínimo e óbvio… e aquilo que o decoro enquanto mandatário de outra candidatura aconselhava: que aquele tipo de discurso era oportunista, populista e de direita.
Ele aí está, nos braços de Passos Coelho! É cabeça de lista por Lisboa… e não faz a coisa por menos: espera “empochar” o lugar de Presidente da Assembleia da República. A confirmar-se, lamento profundamente as situações do mais pedestre ridículo por que irão passar os deputados eleitos que vierem a sofrer a sua “condução” dos trabalhos… assim como lamento, sinceramente, pelos muitos cidadãos e cidadãs que, de boa fé, acreditaram na aldrabice da “cidadania” e da “independência” de Nobre.
Não… não pretendo possuir nenhuma espécie “sexto sentido”; só que faço anos todos os anos…  já o faço há (quase) sessenta… e aquela “treta” da cidadania feroz, da independência irredutível, do ataque aos políticos e à política, da aversão aos partidos, tudo junto… nunca passou daquilo que é e sempre foi: “banha da cobra” e, claro, um discurso que encanta e serve a direita.
Afinal o sujeito confirma-se como um vulgar e atabalhoado aldrabão de feira com uma espinha fantasticamente maleável. Enganados que foram centenas de milhar de votantes, o vigarista pegou nesses votos e colocou-os à venda.
Nesta altura do campeonato, tanto CDS como PS devem dar cabeçadas nas paredes, por não terem “contratado” a figurinha antes de Passos Coelho. Porque não haja dúvidas; mesmo que fosse uma decisão tão “difícil” como ele hipocritamente afirma ter sido a decisão de aceitar o convite do PSD, não duvido nem por um momento que teria igualmente vendido a sua “mercadoria” ao CDS ou ao PS, se lhe tivessem oferecido o suficiente. O “pai da democracia”, o calhordas Soares – que o “inventou” – esse então deve estar com uma cara digna de cartaz de propaganda a laxantes.
Já mais cá para a esquerda… a coisa é bastante duvidosa. Por um lado, homem já foi uma vez e“convictamente”, mandatário (ver o vídeo) da recente candidatura dos deputados do BE ao Parlamento Europeu; em contrapartida, o ódio vesgo e o anticomunismo destrambelhado (ver o vídeo) que lhe iluminava os olhos quando se defrontou com Francisco Lopes, deixaram tudo bem claro quanto ao PCP… e muito naturalmente, também quanto aos “Verdes”… e ainda bem!
Se é verdade que, aqui e ali, nos meandros e corredores da política nacional, existem evidentes focos de mau cheiro… esta é uma estranha forma de os combater: atirando-lhes para cima mais este espesso pedaço de bosta.
In “Cantigueiro” a 11 de Abril de 2011